fbpx

Conheça mais sobre o cenário educacional e quanto custa a vida escolar

O conhecimento é um bem adquirido que não se perde com o passar do tempo e aumenta gradualmente. Por esse motivo, a educação é tão importante no desenvolvimento humano e essencial para alcançar o sucesso pessoal e profissional. Entretanto, o sistema educacional brasileiro não é uma referência, pelo contrário, atualmente o país figura entre os últimos no ranking de educação elaborado pela Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE).

O desempenho das escolas é uma preocupação constante para as famílias. Sendo da classe A, B C ou D, o desejo é o mesmo, oferecer o melhor ensino para os filhos. Porém, o país não oferece educação pública de qualidade, o que leva a maioria das famílias que tem essa escolha, a optar pela escola privada. Mesmo aqueles que não tem o privilégio da escolha e tem que se render ao ensino público, pagam caro para manter os filhos na escola.

Uma pesquisa realizada pelo Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação- IBPT mostra que os impostos dos produtos escolares são bem substanciais e podem chegar quase a 50% do preço do material. Por exemplo, do valor de uma caneta, 49,95% é tributo embutido.

Diante disso, o planejamento financeiro familiar é crucial para manter os filhos na escola e planejar a entrada no ensino superior. Especialistas em finanças calculam que os pais da classe média devem se preparar para um gasto em torno de R$ 1 milhão com um filho até que ele complete 24 anos. Esse período compreende justamente toda formação escolar, desde o jardim de infância até o término da faculdade, isso sem que haja repetências.

Contudo, imprevistos acontecem e nem sempre é possível planejar o momento ideal para chegada de um herdeiro, quanto mais toda sua vida escolar. Isso não muda o desejo de garantir o melhor. Nesses casos, Everton Braga, sócio fundador da empresa CredMov, plataforma especializada em crédito com garantia e financiamento, explica que os pais têm a opção de realizar um empréstimo para assegurar os estudos dos filhos.

“Um empréstimo com imóvel em garantia pode ser considerado para suprir os gastos para o início da faculdade, até mesmo para planejar o pagamento do curso todo ou para programar um intercâmbio que possibilitará o aprimoramento de uma língua estrangeira”, comenta o empresário. Everton afirma que se trata de uma transação de baixo risco que tem como benefícios juros menores do que os de um empréstimo convencional e o pagamento em parcelas a longo prazo.

Quando o assunto é ensino superior, pode-se dizer que um diploma não é garantia de emprego, mas contribui muito para isso. Conforme pesquisas realizadas em 2017 pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), quanto maior a escolaridade, mais chances de recolocação para o trabalhador. Ainda mais num cenário como o atual, em que existem apenas 8 milhões de universitários, segundo o Censo da Educação Superior de 2016, feito pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), em uma população que ultrapassa 207 milhões.

Já no caso do investimento em um intercâmbio, as principais vantagens, além do aperfeiçoamento de uma nova língua, é a possibilidade oferecida por alguns países de trabalhar. Além disso, o ganho cultural, a adaptação a uma sociedade diferente, a utilização de serviços em locais com melhores infraestruturas, são experiências que agregam valores no desenvolvimento pessoal e profissional, características relevantes e avaliadas com bons olhos na hora de uma contratação.

Se você ainda não tem filhos, melhor começar a pensar sobre os investimentos que precisa fazer para manter as contas equilibradas enquanto garante uma educação de qualidade aos herdeiros. E para quem já tem crianças, o empréstimo com imóvel em garantia é a opção para pagar uma boa escola ou investir no ensino superior. Conheça mais sobre essa modalidade de crédito aqui.

Comments are closed.